António de Castro

Webdesign, webmarketing, talhos, bifanas e dentistas: uma correlação sem estética aparente

In facebook, humor, Marketing on Março 25, 2010 at 9:46 am

Meio quilo de design e seis fatias de formulários: ou sete, tanto faz.
É altura de me debruçar contra determinados fenómenos paranormais que regem de forma habitual a ligação entre as empresas digitais e os seus parceiros de negócios, também conhecidos como clientes. Eu prefiro pensar que um cliente é um parceiro ao passo que os clientes parecem (não todos, felizmente) pensar que as agências de webdesign e comunicação – digital ou tradicional – são fornecedores do tipo “meio quilo de design e seis fatias de formulários, faz favor”. Ah, e se puder dar o jeitinho, pese-me aí 500 gramas de Adwords para juntar à mortadela. Baratinho, não se esqueça.”

Quando eu menciono o vocábulo fornecedores – contextualizado acima – não o faço no sentido nobre, mas no sentido do fornecedor de mercadoria avulso, à unidade ou ao peso, qual tasca, talho ou roulote de bifanas: “era um fino e um banner 340×450, faz favor” ou então, o clássico “já que está a mexer nisso, mude para vermelho que este azul faz-me azia”. Sem precisar de puxar muito pela imaginação, assalta-me a mente a mítica “esse rodapé ficava bem era em cima e os menus em baixo”. Não se pense que a minha imaginação é fértil baseado nestes detalhes, são fragmentos da vida real.

Sr Doutor, troque-me a injecção por uma ligadura
Recentemente, estava no dentista, enquanto ele – especialista da área da ortodontia – me examinava cuidadosamente a boca. Recostado na cadeira, enquanto o deixava exercer a sua actividade, não me recordo de nem uma vez ter pensado “afinal quero não quero um branqueamento, quero mesmo é que me tire os caninos e que os ponha na zona posterior do maxilar”. Também nunca me passou pela cabeça dizer ao meu médico de clínica geral que afinal “não quero uma injecção intravenosa, mas uma ligadura no dedo mindinho”. Porquê? Porque a especialização tem destas coisas: cada macaco no seu galho, cada galho na sua árvore, cada árvore no seu habitat.

O cliente é o raptor da sua própria solução
Uma das maiores batalhas de qualquer agência de comunicação, design, webdesign ou marketing é a de amigavelmente convencer os seus clientes de que o dinheiro investido numa solução deve ser optimizado de acordo com o orçamento e potenciado para atingir os objectivos. Ouvir os disparates pegados do “mude-me a cor do site faz favor” faz-me sempre lembrar uma fila de um talho onde se pode ouvir amiúde “queria mais dois bifes a juntar ao entrecosto”. A cordialidade necessária para convencer um cliente de que a solução proposta é a mais rentável para o orçamento existente, exige um grau de diplomacia só superado pelos políticos internacionais que fazem negociação de paz ou negociadores de reféns dos filmes americanos. Neste caso, o nosso refém é a solução estudada, desenhada, pensada e articulada para dar lucro e ser paralelamente eficaz. O cliente assume o papel de raptor porque tem uma arma branca chamada transferência bancária na mão, encostada na jugular da solução eficaz: “Afastem-se ou eu corto este interface de navegação! Todos para trás … Já!

Não quero a melhor solução, quero é mandar em si.
Quando abordamos a questão do webmarketing, voltamos ao “drama do especialista”: o cliente afinal é omnisciente e é que sabe quantas gramas de Adwords é que quer para juntar às azeitonas que comprou no hiper. Quando é habilmente convencido, saca do seu último trunfo, após todos os outros terem caído por terra após a negociação ardilosa, para seu bem. Então, na fase do desespero, o cliente triunfalmente diz: “mas eu é que pago, eu é que sei”. Nessa altura, há várias opções, nenhuma das quais me parece bem dizer aqui, porque corro o risco de ofender o Luíz Vaz de Camões, a Igreja Católica e a moral e os bons costumes que a minha mamã e o meu papá me transmitiram.

Varandas na cave, vigas na diagonal e esfoliação em vez de operação
Resta-me sonhar com o dia em que eu vou poder dizer ao médico que não quero uma operação para me salvar a vida, mas sim uma esfoliação de pele porque sou eu que estou a pagar e eu é que sei. Ou então, dizer a um arquitecto que afinal as vigas planeadas para suportar o peso estrutural da casa nova que eu vou pagar vão ter de ficar na diagonal, com o tecto por baixo. Ah, esquecia-me. E quero que a varanda seja construída na cave e o revestimento do chão seja o forro da minha cama.

Porquê? Por nada. Eu é que pago. Sou cliente, mais nada!


nota: a fim de evitar qualquer mal entendido, este texto é apenas a sátira de processos negociais decorrentes de vontades diversas em torno de um objectivo comum. Não exprime a minha opinião sobre a importância dos clientes, mas sim a importância da consultoria especializada. Não é um processo específico sobre clientes particulares, mas sobre casos estudados na área da web e partilhados pelos seus profissionais de forma abrangente. Além disso, é humor. Ria-se!

Obrigado🙂

  1. hahaha! muito bom António!
    Há falta de alternativas, o humor é a melhor maneira de lidar com a questão!
    Podes sempre aconselhar um cremezinho ao cliente: http://www.makemylogobiggercream.com/

    abraço

  2. Muito bom, infelizmente alguns clientes vêm a comunicação como um serviço banal e sem conhecimento de causa não colocam nas melhores mãos os seus projectos.
    Cabe-nos fazer ver as coisas e “chama-los à realidade”.

  3. Obrigado Rosado e David. É um drama diário que nos compete combater qual negociador de reféns🙂

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: